terça-feira, 20 de maio de 2008

Olimpíadas de 1968

Por Gustavo Pinheiro (Editoria de Esportes)
O México foi o país sede das Olimpíadas de 1968, e foi marcado por uma série de curiosidades. Primeiro foi eleita apesar do protesto de médicos e fisiologistas, que faziam sérias ressalvas quanto à prática esportiva na altitude. Nessa disputa ela ganhou de cidades como Buenos Aires na Argentina, Detroit nos Estados Unidos e Lyon na França. Esta seria a primeira olimpíada disputada na América Latina.

Foi conhecida como a primeira olimpíada a ter o controle ao uso de doping e a introdução das provas de comprovação de sexo para as provas femininas, provavelmente pelas suspeitas sobre as características físicas de algumas campeãs dos países do bloco socialista. Nenhuma mulher foi desclassificada, mas muitas importantes atletas não se inscreveram nas competições. Foram também as primeiras olimpíadas em que as duas Alemanha competiram separadas, enquanto África do Sul e China ficaram de fora.

A altitude causou um fato interessante: a falta de 30% do oxigênio na mistura do ar permitiu a quebra de 68 recordes mundiais e 301 olímpicos, muitos deles perduraram anos, mas fez efeito contrario nas provas de resistência. Muitos acabaram abandonando essas provas devido à falta de preparo em altitudes.

Os Jogos Olímpicos do México ficaram marcados pela situação política em que foram realizados, com inúmeras revoluções e protestos ocorrendo em todo o mundo, o que acabou sendo levado para o esporte de uma forma ou de outra. Pelo bloco socialista, inúmeros atletas ganharam medalhas e foram contestados quanto ao uso de doping. O preconceito racial também chegou aos esportes nos Jogos de 68. A delegação norte-americana era dividida em duas: brancos e negros. Liderados pelo sociólogo e ex-atleta Harry Edwards, atletas negros ameaçaram um boicote aos Jogos. Quando todos achavam que a história tinha acabado, Tommie Smith e John Carlos, que conquistaram respectivamente as medalhas de ouro e bronze, nos 200 metros rasos, subiram ao pódio com luvas pretas e levantaram o punho esquerdo fazendo a saudação ao movimento negro conhecido como panteras negras. Foram expulsos dos jogos e tiveram suas medalhas caçadas, mas outros atletas negros aderiram ao movimento, porém sem serem tão “agressivos”.

Mas um momento alegre marcou também esses jogos, foi no México que pela primeira vez uma mulher conduziu a tocha olímpica: a mexicana Enriqueta Basílio, especialista nos 400 metros rasos, tornou-se a primeira mulher a acender a pira olímpica. Apesar de toda essa agitação, o México ficou marcado como a pior participação de um país sede em jogos olímpicos, com o 15º lugar apenas.

O Brasil com uma delegação de 84 atletas ganhou apenas três medalhas, sendo uma de prata e duas de bronze. A medalha de prata foi concedida a Nelson Prudêncio no salto triplo, Na Vela, na classe Flying Dutchmann, Reinald Conrad e Bukhard Cordes, ganharam o bronze e Servílio de Oliveira conquistou a primeira e única medalha do Brasil no boxe, bronze entre os meio-médios.

7 comentários:

Anônimo disse...

é esse site da pra quebra o galho.
mas eu nao achei nada do que eu queria nele ta valeu preciso entregar meu trabalho amanha e voce nao me ajuda em nada né?
bjs de ...

Anônimo disse...

Obrigada........... por nada!

Anônimo disse...

Valeu!
Muito boa a postagem, uma pitada de informação que tirou minha dúvida e me levou a várias outras leituras.
Parabéns.

Anônimo disse...

Punhos esquerdos levantados???

Anônimo disse...

Não me ajudou muito, está um pouco incompleto!
Porém continue escrevendo, que um dia você chega lá!
É errando que se aprende! Não é mesmo??
Bjs^^!!!!

Carla Brandão disse...

Queria saber quais as modalidades que o México ganhou medalhas em 1968...

Carla Brandão disse...

Queria saber quais as modalidades que o México ganhou medalhas em 1968...